JAPIRA - SUA GENTE E SUA HISTÓRIA

"Neste Blog estão registrados os acontecimentos e pessoas mais importantes que passo a passo, construíram a história do futuro".


terça-feira, 4 de agosto de 2009

Formação:

Foram muitas as pessoas que contribuíram com seu trabalho para a formação do município de Japira. Dentre elas se destacam nomes como o de João Carneiro Júnior, Francisco Pedroso da Luz, Francisco Inácio de Oliveira e seus filhos, principalmente Joaquim Pedro de Oliveira, Hermindo Augusto de Oliveira e Maurílio de Oliveira.
Por volta de 1893, a região do atual município de Japira estava coberta por mata virgem, onde só a coragem de Domingos Furkim e seus companheiros, poderiam se impor mata a dentro. A partir daí outros mais vieram a fim de desbravar estas terras.
No início de suas explorações a área do atual município de Japira pertencia e dependia juridicamente de Tomazina e se chamava Fazenda Jaboticabal e Barreiros. Após 1924 o povoado recebeu o nome de Japyra.
Em 1928 quando Jaboti foi elevado a município, todos os serviços públicos eram feitos em Jaboti. Mas com a extinção da comarca de Jaboti em 1934 voltamos a depender de Tomazina e foi aí que se começou a planejar a emancipação de Japira.
O município de Japira apresenta em sua história, não colonizadores estrangeiros, como muitos municípios paranaenses; mas sim desbravadores tipicamente brasileiros, vindos de outros estados como São Paulo e Minas Gerais e de outras regiões do estado do Paraná.

Os primeiros pioneiros

O Senhor Francisco Inácio de Oliveira, residente na cidade de Tomazina e proprietário da Fazenda Jaboticabal, por volta de 1893 mandou desbravá-la sob o comando de Domingos Furkim, que foi o primeiro morador naqueles sertões.
Também foi proprietário de terras nesta região o Coronel João Carneiro Júnior que para cá veio numa colônia de mineiros.
Outros pioneiros foram José Gomes Godoy e seus filhos Antônio Bertoldo, Francisco Godoy e José Antônio Godoy.
Após a exploração e abertura de novas terras o senhor Francisco Inácio de Oliveira e seus filhos Joaquim Pedro de Oliveira, Inácio de Oliveira e Hermindo Augusto de Oliveira passaram a conviver quase que diariamente em solo japirense apesar de residirem em Tomazina ou Jaboti.
Da cidade de Itararé, SP, veio para cá o Coronel Francisco Pedroso da Luz, que instalou aqui uma das maiores fazendas da região; sendo considerado como um dos maiores benfeitores de Japira. Na antiga divisa de suas terras com as de Joaquim Pedro de oliveira e João Carneiro Júnior, situa-se a atual zona urbana de Japira.
Por volta de 1915 o Coronel Joaquim Pedro de Oliveira plantou o primeiro cafezal desta região.
Em 1924 o coronel Joaquim Pedro de Oliveira dono de extensa área de terras, entre os rios Laranjinhas e das Cinzas, no coração da região denominada “norte velho”. viu sua propriedade rural cortada pelos trilhos de aço da estrada de ferro que corre no sentido meridional, e o coronel fez doação de determinada área de terras para a construção de uma estação ferroviária. O coronel Joaquim Pedro de Oliveira viu-se diante de ótima oportunidade de realizar a vontade de colonizar esta região, e iniciou a venda de lotes urbanos.
As primeiras eleições deram-se no dia 09 de novembro de 1952, ocasião em que o coronel Joaquim Pedro de Oliveira elegeu-se prefeito municipal.

A Estrada de Ferro

Havia aqui um pequeno povoado sem denominação específica, quando a estrada de ferro linha Barra Bonita – Rio do Peixe, criada através de um decreto de maio de 1917 no governo do presidente Wenceslau Brás, passou por esta região dando impulso ao povoado, com sua construção em 1922. Após a construção da estrada de ferro vieram para Japira várias famílias como as de Alexandre Leite dos Santos, José Rafael, Manuel Costa, José Costa, Sebastião Leite dos Santos, José Fernandes e Francisco Souto.
No dia 15 de novembro de 1924 foi inaugurada a estação ferroviária de Japyra.

O desenvolvimento do povoado

Com o aumento da população, crescia também o consumo de mercadorias e a dificuldade em adquiri-las em Jaboti e Tomazina. Surge então a primeira casa comercial de Japira, a firma Sampaio & Oliveira de Artur Sampaio e dos irmãos Joaquim Pedro de Oliveira e Hermindo Augusto de Oliveira. Mais tarde surgem os estabelecimentos de Manuel Costa, Basílio Sotoviski, Antonio Elias, dono de uma loja na rua que hoje chamamos de Rua João Carneiro Júnior, e também a casa comercial de Antonio Correia, proprietário da primeira pensão aqui instalada, onde hoje é esquina da Rua Rui Barbosa com a Rua Pio XII. Foi Antonio Correia que teve a idéia de construir uma capela num terreno vago em frente a sua casa de propriedade de João Carneiro Júnior e Joaquim Pedro de Oliveira, que cederam a área. Alexandre Leite dos Santos se encarregou de serrar as madeiras para edificar a capela. O padroeiro, Santo Antonio de Lisboa foi escolhido por Antonio Correia e em 1928 a capela foi inaugurada. Em 1945 passou a ser atendida pelo vigário da paróquia de Ibaiti.
Em 1927 foi construída a serraria firma Oliveira Lobo e Cia dos senhores Martins Alves Camargo, Hermenegildo Gomes Lobo e irmão Joaquim Pedro de Oliveira e Hermindo Augusto de Oliveira. Havia também uma máquina de beneficiar café dos irmãos Oliveira.
Por volta de 1930 o fazendeiro Ernesto Schimidt iniciou a fabricação de vinho em sua propriedade e, participando de uma exposição na capital do estado ganhou o melhor prêmio pelos produtos apresentados.
Em 1936 a Cia Sul Mineira montou aqui uma bem montada serraria e para administrá-la veio o Sr. Francisco Cascardo de Mar de Espanha – MG, que com sua família muito contribuiu para o progresso desta cidade.
No ano de 1938 foi inaugurada a rodovia Tomazina – Barra Bonita (Ibaiti), na gestão do prefeito de Tomazina Avelino Vieira. Partindo de Wenceslau Brás, esta rodovia passava pela Colônia Mineira (Siqueira Campos) indo até Barra Bonita. Devemos também ao Sr. Avelino a vinda de energia elétrica para esta região, por volta de 1939.

As primeiras escolas, a primeira agência dos Correios, o cinema, a construção da nova igreja

A primeira escola particular teve como educadora Belanizia de Oliveira, filha do Sr. Joaquim Pedro de Oliveira.
Em 1927 teve início à escola pública e a vinda de mestres como Dolores Sampaio (dona Lolita), Maria Freire (dona Santina), Isaíra Reis Cardoso e Maria Bonfim.
A professora Isaíra Reis Cardoso, filha do Sr. Francisco Nunes, gerente da Firma Oliveira Lobo e Cia, foi induzida a deixar o povoado por suas idéias revolucionárias anti-getulistas, já que a comunidade da época defendia muito a figura de Getúlio, assim com boa parte do Brasil.
A escola pública teve outros professores como José Garret e Alcina de Oliveira. Por volta de 1937 veio para Japira, removido de Alemõa – Siqueira Campos, o professor João Isidoro da Silva, mais conhecido como “João Professor” que aqui viveu até sua morte.
Em 1937 começou a funcionar a Agência dos Correios, correspondendo por ela o Sr. Salvador Reis, o popular “Doca”, cuja nomeação era assinada pelo presidente Getúlio Vargas. Aqui Doca permaneceu até 1942, quando foi transferido, sendo substituído pela Srª. Catarina Damato Cascardo que trabalhou até sua aposentadoria em 1967.
Em 1945 é inaugurado o primeiro cinema, que mais tarde foi extinto e até hoje não temos mais cinema em nossa cidade.
Em 1950 tem início à construção da nova igreja, a cargo dos senhores; Francisco Cascardo , Coronel Joaquim Pedro de Oliveira , Arnaldo Forbeck e outros japirenses . A primeira missa celebrada pelo Bispo Diocesano Dom Geraldo de Proença Sigud, 13 de junho de 1952. Houve grande festividades estando presente toda a população da cidade e do município.
Aos 08 de marco de 1961 às dezessete horas, chegou a esta paróquia o primeiro vigário , padre Antonio Angélico Pimenta , da Congregação Nossa Senhora do Sion.

A Emancipação Política

Através da Lei n.º 93 de 19 de setembro de 1948, Japira foi elevada à categoria de distrito judiciário.
Em 1944 a Cia Sul Mineira, tendo encerrado suas atividades de extração de madeira, venderam a maior parte de suas propriedades ao Sr. Francisco Cascardo e ao Sr. Mário Brás Pereira Gomes, que formaram uma grande fazenda de café, a fazenda Itajubá. Em 1949 tem-se a instalação da Agência de Rendas, da Delegacia de Polícia e do Cartório de Registro Civil.
A Agência de Rendas teve como primeiro funcionário o Sr. Jorge Rosera, seguido por Orestes de Andrade e José Soares Fragoso. A Delegacia tinha por encarregado o Sr. Livrecino Proença de Souza e depois outros como José Ais e Tenente Garret.
O cartório teve como primeiro funcionário João Neves de Oliveira, e funcionava num prédio na Av. Cel. Joaquim Pedro de Oliveira.
O primeiro médico foi o Dr. Francisco de Oliveira e o primeiro farmacêutico, o Sr. Olavo de Oliveira, ambos filhos de Joaquim Pedro de Oliveira.
No dia 14 de novembro de 1951, pela Lei n.º 790, Japira foi elevada à categoria de município com áreas territoriais de Tomazina e Ibaiti, integrada pelo quantitativo de 800 Km² abrangendo localidades de Jaboti, Conselheiro Mairinck, Vila Guaí e Vassoural.
As primeiras eleições foram realizadas em 09 de novembro de 1952, tendo sido eleito prefeito o Coronel Joaquim Pedro de Oliveira e para a Câmara Municipal os seguintes cidadãos: Francisco Cascardo, Carlos Mylius, Angelino Pereira, Sebastião Simão da Costa, Nestor Custódio Ferreira, José Inácio de Oliveira, José Custódio da Silva, Joaquim da Costa Valle e Domingos Ferreira de Quadros. As cerimônias de posse se realizaram no dia 14 de dezembro de 1952.

Pela lei estadual n.º 5620, de 24-08-1967, é criado o distrito de Novo Jardim
e anexado ao município de Japira.

Dados do Município de Japira

O município de Japira possui atualmente uma área de 248 Km². A organização político – administrativa é a seguinte: